Poemas e Poesias

Corpo Implora

Revolta que bate e volta,
Pele que sente saudades,
Algo que vem de dentro,
Que clama o que vem de fora,

Lutas que não acabam,
Sede que seca a boca,
Corpos que não afastam,
Mentes poluídas, loucas.

Calafrios, arrepios, tremores
Sentem os pontos da carne,
A língua procura os sabores,
O toque das mãos, extremidades.

Procura-se pessoas certas,
Na falta, servem erradas,
Quando se pratica, enaltece,
Problemas cadê? Esquece!

Saudades da Família


Na casa tão antiga e acolhedora,
A alegria e o tumulto ali nascia,
Saudades eternas daquelas pessoas,
Que a vida espalhou, não merecia.

Pessoas que fizeram a passagem,
E outras muitos quilômetros distantes,
Das primeiras só restaram as imagens,
Desses outros quando vejo é por instantes.

A imagem da família foi se perdendo,
União foi acabando ano a ano,
Tios e primos que antes eram grudentos,
Hoje em dia já não passam de estranhos.

É uma pena não contar com a presença,
Daqueles que compartilham o teu sangue,
É tão grande o sentimento de carência,
Essa falta do meu povo me abrange.

Miragem



Me encontro preso quem diria?
Mesmo me dando carta de alforria,
O que vivi com você não me sacia,
Ter o poder de te esquecer é alegria.

Preciso me libertar desse labirinto
 Sentimentos persistentes que ainda sinto,
Penitência é acreditar em possibilidades,
De tudo quero e não sobra nem amizade.

São tormentas que me viram pelo avesso,
E nas noites pela cama enlouqueço,
É doença sufocante sem remédio,
Conviver com tua ausência é mais que tédio.

Dai-me uma luz, sinal, uma mensagem,
Necessito de uma razão, não é bobagem,
Enxergo o que não existe, uma viajem,
Desconfio, nosso amor foi uma miragem.



É Proibido


Em noites de verão,

Procuro e não vejo,

Vazio aperta é ilusão,

No peito mora desejo.


A dor que queima,

Solidão que machuca,

Lágrimas que teimam,

Cabeça meio maluca.


Discordando da razão,

Realidade não aceita,

Quem erra é o coração,

A pessoa não é eleita.


Tem fama de traiçoeiro,

Empurra pro proibido,

Confirmado, é verdadeiro,

Esse órgão é bandido.



Vale do Jequi



Vidas de um povo que conto,
Por vários motivos, detalhes,
Carregam o dom de guerreiros
Aqueles que habitam o vale.

Vale do Jequitinhonha é riqueza,
Cultura, simplicidade, axé, natureza,
Com tantas atrações, requisitos,
Esqueço, o que é mesmo a pobreza?

Pessoas simples, humildes, animadas,
Desbravam secas nas pescas, caçadas,
O sol tão forte que queima no alto,
Da brilho, ilumina até artesanatos.

Cidades pequenas se escondem em serras,
Mulheres morenas desfilam as mais belas,
Avós e tios espalham os causos,
Batuques derramam sorrisos, aplausos.



Desigualdades





No mundo, desigualdades,
A busca por ser perfeito,
Sentimos a dor na pele,
Uns dizem que é preconceito.

O manto quando é escuro,
Nos tratam como impuros,
Maltratam, é egoísmo?
Não João, isso é racismo.

Mãe! E a paz? A alegria?
Será que eu vou ver um dia?
Não sei filho, não te prometo,
Uns sofrem com a homofobia.

E quando se nasce pobre
Na boca de gente rica
O sangue não é de nobre
Então não ouça, esnobe!

Mas lute, tu tem espaço,
Pra tudo tem solução,
Caminhe e aja sempre
Com humildade no coração.


Perdão



Difícil de conseguir, consentir,
Difícil de imaginar, se permitir,
A força de uma atitude que faz pressão,
Lutamos e relutamos pelo perdão.

Nos sentimos feridos e magoados,
Quando por alguém somos pisados,
Mas na vida coisa ruim não faz bem,
Não compensa sentir raiva de ninguém.

O perdão é sinônimo de coisa maior,
Perdoando nos sentimos bem melhor,
A força da amizade incentiva,
Deixar coisas pra trás, até intrigas.

Sentimos uma leveza no coração,
Parece contagiar, estendo a mão,
Rancores e amarguras alçam voos, 
Escutando ou falando, eu perdoo.


Diversas Amizades












A amizade nutre, abala, acalenta,
A amizade, expande, remexe, orienta,
Amor mais puro real e verdadeiro,
Podem grupos reunir por inteiro.

Momentos tristes, raivosos, assustantes,
Quando amizade somem em instantes,
Podem ser meigos, alegres ou tranquilos,
Diversas formas chamamos de amigos.

São benfeitores, calmantes de espíritos,
Acolhedores abraçam os aflitos,
Dividem tudo, até mesmo os riscos,
Secam as lágrimas, aparecem sorrisos.

São brisas que movem as barcas,
São águas que carregou a arca,
Sendo moderno, atual ou antigo,
O que seriam se não fossem os amigos?


Aos Grisalhos


Sexo, anexo, aberto,
Momentos de pura mentira,
Desperta em meu peito fádiga,
Mas antes explico, alerto.

Prazer, sentir, querer,
O que as outras não podem,
Só rola comigo e você,
Palavras picantes dizer.

Calor, tesão, gargalho,
Susurros no ouvido me aquecem,
Me encanto com o charme grisalho,
Carícias os corpos repetem.

Stop, um tempo, momento,
Descanso e volto correndo,
É cara de quem tá tramando,
Desculpe! Eu estou amando.


Tentativas



Tentando ser exemplo crio em mim um templo,
Um templo de discórdias, revoltas,
Um templo de angústias respostas,
Nessa criação quem comanda é o tempo

O tempo ameniza, suaviza, o templo em criação,
 Caracteriza, caracteriza como sendo
 Infinito, as buscas pelo o belo, o bonito
Em meio às turbulências nada se confraterniza

O ser humano é rico de diversidades, atritos
 É um ser racional que pouco se conhece
Prisioneiro das consequências
Só chega a um ponto, Padece!

Na procura determinada pela perfeição,
Nada é convicção, daí só nasce emoção,
Então pra quê ser certo? Dar uma de esperto?
Nos jogos dos sentimentos, o que resta é resto.





O Tempo Não Passa



A manhã chega, a noite cai
e o tempo não passa,
mudam outono-inverno,
primavera-verão e o tempo
não passa, para.

As fases da lua vão seguindo,
os meus sentimentos, vão se
partindo e quem não parte
é o tempo, como relógio quebrado
ou clipe paralisado.

A vontade é de continuar,
desvendar céus e montanhas,
seu corpo poder desbravar,
mas a vida segue, a vida dos outros,
na minha cena, coração só faz apanhar.


Cadê o Valor?



Por que as pessoas
não valorizam o que
sentimos por elas?
Os sentimentos nos corrói,
nos machuca e nos condena!


Caminhos



Idas e voltas, destinos traçados
e planejados, viver é uma
eterna escolha de caminhos.
Ir ou vir? Seguir ou desistir?
Não sabemos,não temos certezas,
apenas desconfianças e o que nos incentiva
a viver, são as buscas pelas respostas.




























Nenhum comentário:

Postar um comentário